Fabiano JS

Charme Essência

fabiano_js
Fabiano JS

Farmacêutico de formação e apaixonado por perfumes desde muito cedo – muito cedo, mesmo: aos 10 anos de idade, sua coleção já contava com 44 perfumes! –, Fabiano JS inaugurou, em 2013, a Charme Essência, perfumaria brasileira independente que apresenta ao público fragrâncias com alta qualidade técnica e notas olfativas inusitadas, como a nossa brasileiríssima jabuticaba! Acompanhe este nosso bate-papo que ocorreu no final do ano passado (dezembro de 2017)!

Uma das coisa que mais me despertam a atenção em seu trabalho (mesmo que eu não seja especialista) é o nível técnico de suas criações, sempre equilibradas e, sobretudo, estáveis. Queria que você falasse da junção entre a arte da criação de fragrâncias e a tecnicidade farmacológica. Como se dá essa conciliação? É possível afirmar que uma interfere ou limita a outra?
Não, muito pelo contrário. Não diria tecnicidade farmacológica, mas tecnicidade magistral. Particularmente considero todos os perfumistas verdadeiros alquimistas porque harmonizam substâncias ou transformam substâncias em uma composição odorífera que traz tanta mensagem, mesmo que abstrata. Durante minhas inspirações, deixo de lado, parcialmente, qualquer conhecimento técnico acerca das matérias-primas e busco explorar um pouco mais minhas memórias olfativas e associações, e somente durante os testes e execuções é que deixo aflorar todo conhecimento de reações orgânicas, interações, toxicologia principalmente, afinal trata-se de uma composição que será aplicada sobre a pele; e nenhuma empresa ou perfumista quer receber uma notificação ou até processo devido uma queimadura causada por furanocumarina presente num perfume que foi criado com uma quantidade absurda de bergamota.

As fragrâncias da Charme Essência me parecem não seguir a orientação olfativa de outras perfumarias independentes brasileiras, aparentemente norteadas por uma paleta árabe, sempre opulenta e pesada, mesmo em fragrâncias supostamente frescas. Essa é uma diretriz escolhida propositalmente, ou ocorreu espontaneamente?
Acredito que tenha ocorrido espontaneamente, mas durante a execução de uma fragrância procuro, dentro do possível, trabalhar ou levar em consideração o coeficiente de difusão de moléculas, isto proporciona uma estabilidade maior da composição como um todo, não apenas no frasco, mas após aplicação na pele também. E isto é influenciado pelo nosso próprio clima.

Vivemos em um país tropical com uma costa marítima continental, sol e altas temperaturas na maior parte do tempo. Ainda assim, faltam águas de colônia produzidas por perfumistas independentes. Na sua opinião, ao que se deve essa aparente discrepância? Você considera que o contato dos perfumistas com uma parcela muito limitada da população, por meio de grupos de perfumes nas redes sociais, pode induzir à impressão equivocada de que o brasileiro médio prefere perfumes opulentos a fragrâncias leves?
Acredito que esteja mais relacionada a algo cultural. Os termos utilizados na perfumaria são diversos. Aliás, há inúmeros termos com o mesmo significado. As águas de colônia por possuírem uma concentração de matérias-primas bem menor tendem à uma fixação inferior, afinal essa é a proposta. Entretanto, dificilmente, um consumidor entende essa ideia e consequentemente não aprova. Talvez, alguns excelentes perfumes de marcas famosas não teriam recorde de vendas se os consumidores observassem em suas caixas o termo “desodorante colônia”, que não desqualifica em nada a fragrância, mas que se desdobra em um imposto muito mais barato do que se utilizasse o termo eau de toilette. Em 2014, criei quatro águas de colônias para a Charme Essência, que chamei de Figos Tropicais, Doce Verbena, Maçãs Asiáticas e Uvas Italianas, e, em 2015, lancei uma coleção que intitulei de Águas e Sensações – Apenas Sinta também com quatro fragrâncias chamadas Happy (maçã verde), Passion (rosas), Lien (pera), Freedom (menta). Mas foi uma edição limitada e que “evaporou” nas vendas – e nessa época, ainda não tinha site e mal divulgava em redes sociais. Penso em relançar!

Especificamente sobre a coleção Nativus, a mais recente (e que já conta com três lançamentos, Raoni, Diaurum Black, e Oquira – em dezembro de 2017), de onde vem sua inspiração? De alguma forma, sua pós-graduação pelo IPPN (Instituto de Pesquisa em Produtos Naturais) Walter Mors da UFRJ serve como ferramenta nessa caminhada em busca de elementos, conceitos?
Na verdade não. Durante o trabalho para a dissertação, explorei muito o conhecimento popular no manuseio de plantas medicinais e principalmente as aromáticas, mas os grupos que contribuíram para a pesquisa, à época, foram na verdade alguns Quilombolas do Pará. E ainda estamos trabalhando com o isolamento de um componente da árvore de cumaru (dipteryx odorata) que provavelmente será um produto novo e que sustentará a minha tese de doutorado, por isso não posso entrar em muitos detalhes, por enquanto. Mas a ideia da coleção Nativus surgiu a partir da imensa vontade que tinha de desenvolver fragrâncias cujo o tema explorasse melhor algumas matérias-primas nacionais no âmbito da perfumaria de nicho; algo mais ousado, com uma abordagem mais arriscada por tratar-se de matérias-primas pouco conhecidas, ou menos valorizadas, como o muru muru. Busquei também, nesta coleção, relacionar às práticas indígenas nomeando cada fragrância com um nome indígena, na verdade como uma homenagem aos índios cuja história se confunde com a própria história do Brasil.

O portfólio da Charme Essência conta atualmente, dezembro de 2017, com 15 fragrâncias, entre ativas e descontinuadas. A criação de novas fragrâncias é um processo que se dá individualmente ou em “lotes” ? Digo, você pensa primeiro em uma coleção e persegue o seu conceito, ou cria uma fragrância específica, e a partir dela, a coleção? Por falar nisso, podemos aguardar por novas fragrâncias já no primeiro trimestre de 2018?
Há quatro fragrâncias que foram descontinuadas, pois a continuidade de produção demandaria reformulação, e, como não sou a favor de reformulação, achei melhor não produzi-las mais. São elas, Romeu, Elegans (elegância, em latim), Cdução e Estilo. Isso porque nessas fragrâncias utilizei matérias-primas que sofrem uma imensa interferência do meio e com isso não havia estabilidade no cheiro, ou seja, em cada safra era um cheiro diferente ou com facetas diferentes e isso influenciava no produto final. Então, achei melhor não seguir com essas fragrâncias. Com exceção delas, todas as outras ainda estão em produção – algumas sem, mas todas em produção ativa. Com relação a criação, sempre penso primeiro na coleção, em seguida no conceito que cada fragrância terá dentro da coleção, e a partir disto busco acordes que irão compor cada fragrância. Em 2018, teremos novidades sim, tanto da coleção Nativus, que será uma coleção com criações regulares – afinal tem muita matéria-prima a ser explorada como cantiga de mulata, pariparoba, guaçatonga, guabiroba, candeia, priprioca, etc. Mas planejo também para 2018 lançar, finalmente, uma coleção cujas fragrâncias venho trabalhando desde o início da Charme Essência, que é uma coleção inspirada na música, e certamente contará com fragrâncias frescas, fragrâncias mais pesadas, e mais clássicas.

E, pra finalizar, na pirâmide olfativa da vida, que nota é você?
Explique!

Não sou muito bom pra falar de mim mesmo, mas acho que seria um petitgraim. Assim como o petitgraim faz ponte entre as fases de uma fragrância, eu gosto de fazer ponte entre as pessoas; gosto de estar em grupo. Sozinho somente quando estou no laboratório de criação. Não faço questão de chamar atenção, aliás, não gosto mesmo, e isso não é antipatia, mas timidez talvez. Gosto de tratar as pessoas com respeito, dignidade e cordialidade, porque isto me faz bem e porque acredito que todos merecem.

Copyright do texto © Esper Leon. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste texto, ou imagem/foto, pode ser reproduzida, armazenada, ou transmitida de alguma forma ou por algum meio, seja eletrônico ou mecânico, inclusive fotocópia e gravação, ou por qualquer outro sistema de informação, sem a prévia autorização por escrito do autor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s